quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Concurso Cultural 2018: “Um Lugar de Memória” - Modalidade Fotografia


Dizem que uma pessoa não pode tomar banho duas vezes no mesmo rio. A água se renova a cada instante com o correr do rio; as células se renovam a cada instante para que a pessoa continue viva. Muda o rio e mudamos nós, a cada instante o rio não é mais o mesmo e nós não somos mais os mesmos.

O Arquiteto José Aguilera relata que se pensarmos que o nosso organismo vive somente no presente (o passado já se foi e o futuro ainda não chegou) se tomamos consciência somente daquilo que nossos sentidos nos informam neste instante, não poderiamos saber o que é um rio, não podemos saber o que é o dia de ontem, o que é um dia, e não saberemos ao menos quem somos.

O que liga aquilo que fui ontem ao que sou hoje é a “memória”. A memória é o que dá continuidade. O que informa quem eu sou e me dá identidade. Se por um lado nos informa o passado, por outro, influencia a percepção que temos do presente e, portanto, o nosso comportamento em relação ao futuro.

Sempre guardamos na memória um lugar em que fez diferença em nossos sentidos. Seja uma passagem boa, de um encontro, de um evento ou de um lugar que se re-conecta com a paz e harmonia ou uma saudade.

Qual “lugar” em Caçapava do Sul que tens na “memória” uma passagem feliz? Fotografe, desenhe ou conte em 88 palavras e participe desse modo, das celebrações alusivas aos 187 anos de Caçapava do Sul, que acontece no dia 25 de outubro.

Confira os regulamento:

Regulamento do Concurso Fotográfico

1. Disposições Gerais
1.1. O Concurso de Fotografia “Um Lugar de Memória”, promovido os projetos “88 palavras” e “Caminhos do Sul da América”, em parceria com o Jornal A Palavra, como apoio da Câmara de Vereadores, é aberto a fotógrafos caçapavanos amadores e profissionais de todas as idades; 
1.2. Deverão ser fotografados lugares que denotem memórias afetivas de Caçapava do Sul, rural ou urbana, interior ou fachadas de edificações desde que em suas legendas contenham a explicação e a visão do fotógrafo, em relação à imagem; 
1.3. A seleção das fotos levará em consideração critérios estéticos da imagem; a mensagem transmitida pelo fotógrafo, aspectos da composição e cores da fotografia; 
1. 4. Cada fotógrafo poderá participar com, no máximo, 2 (duas) fotos; 
1.5. Cada participante só poderá ser premiado uma única vez.

2. Das inscrições; 
2.1 As inscrições serão feitas exclusivamente por email no período de 01/outubro/2018 a 15/outubro/2018. Para efeitos de recebimento das inscrições, será considerada a data de envio do e-mail constante na mensagem. Não serão aceitas fotos entregues pessoalmente; Endereço de email para envio das fotos em anexo: lugardememoria2018@gmail.com

3. Das Fotografias; 
3.1. As fotografias deverão fazer referência ao tema: “Um Lugar de Memória”, apresentando imagens que denotem memórias afetivas de um lugar de Caçapava do Sul, rural ou urbana, paisagens ou interior ou exterior de edificações, desde que em suas legendas contenham a explicação e a visão do fotógrafo, em relação à imagem; 
3.3. A Comissão do Concurso reserva o direito de não aceitar imagens que fujam ao propósito do concurso; 
3.4. Poderão ser enviadas somente fotos digitais;
a) Devem ser enviadas em anexo no formato JPG, no tamanho mínimo de 20x30cm, em 300 dpi de resolução; ou em qualidade máxima, acima de 8 megapixels;
 b) Cada arquivo deverá ser nomeado com a seguinte informação:
nome do participante. Ex: josedasilva_1.jpg . 
3.5. As fotos não poderão ser manipuladas digitalmente, interferindo em composição de cores ou de ambientes; constatada a edição, a foto será desclassificada imediatamente; 
3.6. O material deverá ser enviado por e-mail juntamente com:
Nome do participante:
Número do RG:
Endereço:
Telefone e email:
Local onde a imagem foi registrada:
e uma legenda que descreva a fotografia:

4. Serão escolhidas 10 fotos para compor uma exposição "Um Lugar de Memória”; 
4.1 Será premiada apenas uma foto; 
4.2. A foto ganhadora será capa do Jornal A Palavra do dia 26 de outubro de 2018; 
4.3. A divulgação dos selecionados será realizada até o dia 22 de outubro de 2018 nos sites e blogs dos promotores do concurso. Será entregue a premiação na Câmara de Vereadores de Caçapava do Sul, em data ainda a ser definida. Após o comunicado de seleção, o autor da foto terá três dias para assinar e enviar o termo de liberação de imagem para fins da Exposição das fotos, incluindo inserções no Jornal do A Palavra; 
4.4. O nome do autor da foto será citado em qualquer exposição da imagem enviada para o concurso.

5. Do julgamento: 
5.1. As fotos serão avaliadas por uma comissão julgadora composta pela equipe organizadora do concurso; 
5.2. Serão avaliados pela comissão julgadora:
a) Coerência com o tema,
b) Emoção captada pela foto,
c) beleza plástica da imagem,
d) Dados técnicos
e) Conformidade com o local indicado e
f) Ausência de edição de imagem; 
5.3. A Comissão Julgadora poderá deixar de analisar total ou parcialmente as fotografias apresentadas que não preencherem os requisitos previstos neste regulamento, bem como eliminar concorrentes que tenham deixado de apresentar qualquer dos dados pessoais solicitados; 
5.4. Os ganhadores serão notificados por e-mail até o dia 24 de outubro.

6. Da premiação:
6.1. A fotografia classificada em 1º lugar receberá um troféu e um certificado. 
6.1. As (10)dez primeiras fotos classificadas serão utilizados para a exposição “Um Lugar de Memória em Caçapava do Sul”, no Espaço Cultural Legislativo da Câmara de Vereadores de Caçapava do Sul e receberão certificado de participação.

7. Disposições finais: 
7.1. Todos os participantes do concurso asseguram desde já que são os detentores dos direitos autorais patrimoniais pertinentes à sua respectiva obra, mas permitindo o uso pelo Concurso para a divulgação no Jornal A Palavra e em exposições relativas ao tema, bem como nas mídias eletrônicas e impressas; 
7.2. As fotos da exposição não serão devolvidas; 
7.3. A comissão julgadora é soberana, compete a ela avaliar e resolver sobre os casos omissos neste regulamento, não cabendo recurso; 
7.4. Este concurso é exclusivamente cultural, sem qualquer modalidade de sorte ou pagamento pelos participantes, nem vinculação destes ou dos vencedores à aquisição ou uso de qualquer bem, direito ou serviço, promovido pelos organizadores, de acordo com a Lei nº 5768/71 e decreto nº 70.951/72, artigo 30; 
7.5. Serão sumariamente excluídos os participantes que cometerem qualquer tipo de fraude comprovada, ficando, ainda, sujeitos à responsabilização penal e civil; 
7.6. Os organizadores do concurso não se responsabilizam por quaisquer custos incorridos pelos participantes para inscrição, confecção e envio dos trabalhos, divulgação dos vencedores, comparecimento ao evento de premiação, viagens, transporte, hospedagem, alimentação ou quaisquer outros custos relacionados ao concurso; 
7.7. Não poderão participar do concurso funcionários das empresas parceiras do Concurso;

8. O não cumprimento de quaisquer das regras deste Regulamento poderá causar, a critério da Organização, a desqualificação da (s) fotografia (s) inscrita (s), e, consequentemente, do respectivo participante.

9. O ato de inscrição neste concurso implica na aceitação e concordância com todos os itens deste Regulamento.

10. Quaisquer dúvidas sobre o concurso ou sobre o presente regulamento devem ser encaminhadas ao e-mail: lugardememoria2018@gmail.com

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Estande do Sebo de 2018

Circularam cerca de mil livros – preciosidades clássicas, romances modernos, religiosos, poemas, históricos, revistas e infanto-juvenis – no Estande do Sebo, na 28º Feira doLivro de Caçapava. Foram arrecadados numa campanha antes do evento pela Comissão da Feira do Livro e gerenciado pelo Projeto Caminhos do Sul daAmérica. Foram vendidos no Estande por custo muito acessíveis em prol aos recursos financeiros do evento.

O Sebo só acontece nos dez dias de Feira e os livros que sobraram, nesta edição, foram doados as Bibliotecas do Presídio, Hospital de Caridade, Escola Estadual Cônego Ortiz e várias escolas do município.

Certamente quem os adquiriu enriqueceu seus acervos literários e quem doou proporcionou mais cultura e conhecimento a comunidade.

Agradecemos toda a participação pela grandiosidade do evento e até a próxima edição!

Caçapava do Sul Aérea

No dia 4 de maio de 2018, deu-se o lançamento da exposição “Caçapava do Sul da América” no Espaço Cultural Legislativo, na Câmara Municipal de Vereadores de Caçapava do Sul e permanece aberta a visitação até o dia 31, das 9 as 15h, dentro da programação da 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul.

A exposição traz como temática o Turismo do centro histórico urbano de Caçapava do Sul, com a idéia de um olhar visto do alto, através de um tour, manifestando-se expressões do estado do lugar.
As imagens aéreas foram captadas por Alessandro Paz e pesquisa e arte de Lislair Leão Marques.

Vale conferir e também deixar suas expressões.

terça-feira, 1 de maio de 2018

Guarda da Infantaria Farroupilha

A Guarda da Infantaria Farroupilha foi criada em 1999, na primeira Farrapofesta, este Grupo não governamental e sem fins lucrativos, coordenado pelo Prof. João Batista Oliveira Henriques, é composto por cidadões patriotas que cultuam a tradição e ritualística militar.

O dia 30 de abril de 1839 foi a data em que Caçapava do Sul, quando capital Farroupilha, apresentou ao povo a Bandeira da República Rio-Grandense e seu Hino. Nesta data comemorou-se a vitória Farroupilha ao combate do Barro Vermelho.

Todo o ano a Guarda comemora esta data com evento com café da manhã, homenagens e hasteamento das Bandeiras, onde autoridades caçapavanas se fizem presentes. Neste ano, 2018, foi homenageada a memória de Joaquim Francisco de Assis, Brasil que foi Deputado Provincial e Governador do Rio Grande do Sul e Ministro da Agricultura.

28º Feira do Livro de Caçapava do Sul

O Estande do Sebo, gerenciado pelo Projeto Caminho do Sul da América, possui livros usados de valor literário e histórico, além de propiciar a oportunidade para leitores de todas as idades de aquisição de livros a baixíssimo custo.

É um dos estandes mais visitados na Feira do Livro. Venha também conferir!

domingo, 22 de abril de 2018

28º Feira do Livro de Caçapava do Sul

Feira do Livro de 2016.
A 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul acontece de 27 de abril a 06 de maio de 2018, no Salão Paroquial de Caçapava do Sul. Com intensa Programação tem como Patrona a escritora caçapavana Ariane Severo.

O Projeto Caminho do Sul da América participa neste evento, pela terceira vez, contribuindo no gerenciamento do Estande do Sebo, exposição de fotografias e Mini Oficina Literária 88 Palavras.

Confira a Programação e participe!

sexta-feira, 16 de março de 2018

Maria Ani Leão Dias

Memorar e refletir sobre a mulher e educação são objetivos da exposição “Professora Maricas: Um Século de Protagonismo Feminino no Ensino Rural”.

A sobrinha e também aluna da Professora Maricas, Senhora Maria Ani Leão Dias, foi conferir e relembrar.

Lançamento da Exposição Professora Maricas

Aconteceu no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o lançamento da exposição de fotografias “Professora Maricas: Um Século de Protagonismo Feminino no EnsinoRural”, no Espaço Cultural Legislativo da Câmara Municipal de Caçapava do Sul.
No plenário as netas da Professora Maricas, Lislair, Tânia e Ana Flávia fizeram a apresentação da exposição que permanecerá aberta a visitação, das 9 as 15 horas, de segunda a sexta, até o dia 8 de abril de 2018.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Dia Internacional da Mulher – Voto Feminino

Primeiro Título Eleitoral da Professora Maricas
Uma das primeiras conquistas das Mulheres no Brasil, um marco histórico, foi o voto feminino. Foi assegurado, pelo código eleitoral Provisório (Decreto 21076), de 24 de fevereiro de 1932, durante o governo de Getúlio Vargas, após intensa campanha nacional pelo direito das mulheres ao voto.

A Professora Maricas, Maria Miguelina Paz Leão, foi uma das primeiras caçapavanas a exercer a cidadania com este direito.
Conheça mais sobre a história dessa Mulher, cidadã e caçapavana, na Exposição “Professora Maricas: UmSéculo de Protagonismo Feminino no Ensino Rural", que acontece no Espaço Cultural Legislativo, que tem lançamento no Dia Internacional da Mulher, 8 de março de 2018, na Câmara Municipal de Caçapava do Sul.

A exposição acontece até o dia 8 de abril. É uma realização do Projeto Caminhos do Sul da América.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Professora Maricas: Um século de protagonismo feminino no ensino rural.

Maria Miguelina na sua mocidade.
Por ocasião do Dia Internacional da Mulher, nesse ano de 2018, homenageamos a Professora MariaMiguelina Paz Leão – conhecida por Maricas – que nasceu em 03/04/1908, filha de Miguel dos Santos Paz e Maria Bitencourt Paz. Faleceu em 24/09/1984.
Professor Miguel e seus alunos.
Filha do Professor Miguel – atuou como Professor domiciliar de 1890 a 1940, na região de Caçapava do Sul e arredores –, ela ingressou no magistério aos seus 16 anos, em 1924, como Professora Municipal. Em 1929, foi nomeada por concurso público para reger aula no âmbito estadual na então criada “Escola Isolada de Lanceiros”, localizada no 1º Distrito de Caçapava do Sul, a 9km da sede, onde atuou até se aposentar em 1959. Foi uma das primeiras Professoras de Caçapava do Sul e das poucas funcionárias públicas na primeira metade do século XX, neste município.

Casou-se, no início da década de 30, com Belizário Machado Leão, com quem teve sete filhos: Eloir, Valmir, Vilmar, Vilma, Valda, Valdeck e Valderi. As três filhas também foram educadoras rurais e iniciaram suas atividades na mesma escola.

A escola depois denominada “Escola Rural de Lanceiros” foi fundada pelo Decreto 1029, em 1º de março de 1929, com 29 alunos. Na década de 40 e 60 tem-se registro de maiores quantidades de alunos, chegando a 47 pessoas, em 1942. A partir da década de 70, por conta do êxodo rural, o número de alunos começou a decair e no final dos anos 80, a escola fechou por falta de alunos, chegando a meio século de atividade educacional rural.
Extratos de documentos da Escola Isolada de Lanceiros

Sua filha mais velha, Eloir Leão Marques, iniciou suas atividades em 1947, nesta escola e depois exerceu atividades na Escola Muncipal Santa Bárbara, de 1950 a 1976, na localidade do Santa Bárbara, em São Sepé.
Professora Eloir
A filha Valda Leão de Oliveira atuou no Lanceiros, de 1960 a 1961, depois exerceu suas atividades até se aposentar, em 1986, na “Escola Municipal Coronel Chananeco”, na localidade do Cerrito do Ouro em São Sepé, hoje denominada “Escola Municipal de Ensino Fundamental Coronel Chananeco – EMEF”, atualmente um centro de referencia de ensino rural na região.
Professora Valda
A filha Vilma Leão de Freitas iniciou suas atividades 1962, no Lanceiros, na “Escola Rural de Lanceiros”. Atuou nesta escola até se aposentar, no final da década de 80.
Professora Vilma
A segunda e terceiras gerações da Professora Maricas tem-se, também, destaque eximias educadoras. 

Um legado feminino na luta pela educação, eis então!

Segundo alunos, a Professora Maricas foi um exemplo pela sua postura forte. Exercia autoridade com muita vibração, diferenciada no capricho pela caligrafia e deixou rastros espalhados de seus ensinamentos.

No atual cenário de educação e onde as comunidades rurais são perdidas pela desestruturada aceleração urbana, é vital ressiguinificar o seu ensinamento, com a Exposição de 20 imagens “Professora Maricas - Um século de protagonismo feminino noensino rural”, no Espaço Cultural Legislativo, da Câmara Municipal de Caçapava do Sul, com lançamento no dia 8 de março, as 18:45h.

Desse modo, homenageia-se todas as Mulheres Educadoras Rurais do município, através da alusão histórica da Professora Maricas, no Dia Internacional da Mulher.
Extratos do Concurso Público realizado na primeira metade do século XX.

Professora Maricas: Segunda e Terceira Geração

Netas Educadoras da Professora Maricas: Ana Suzel, Márcia, Lislair, Lisleth, Ana Flávia, Jaqueline, Livete Magali e Tânia.
A segunda geração da Professora Maricas tem destaque eximias educadoras: a sua neta mais velha Lisleth (iniciou suas atividades como Professora do Pré, na década de 70, na Escola Santíssimo Nome de Jesus. Depois de passar pela Escola Estadual Dinarte Ribeiro, aposentou-se em escolas de Santa Maria). Livete Magali (atuou na rede estadual e aposentou-se pelo Colégio Militar de Santa Maria), Lislair(atuou em Caçapava do Sul na Escola Estadual Dinarte Ribeiro, na rede estadual em Curitiba/PR e no ensino universitário em Manaus/AM), Tânia Elizabeth (atuou como Diretora nas redes municipais e estadual de Santa Maria), Ana Suzel (atuou em Xanxerê/SC), Márcia Elisa (atuou na rede estadual de Caçapava do Sul e Santa Maria), Jaqueline (atuou em Caçapava do Sul), e Ana Flávia, neta mais nova e das últimas alunas da Escola Rural de Lanceiros, é atual Vice Diretora da Escola Estadual de Ensino Médio Nossa Senhora da Assunção e Professora na Escola Técnica Estadual Dr. Rubéns da Rosa Guedes – ETERRG –, em Caçapava do Sul.
Bisnetas da Professora Maricas: Bibiana, Juliana e Darlane.

A terceira geração tem atuação as Pedagogas: Juliana (Porto Alegre), Darlane (também formada em Letras, em Santa Maria) e Bibiana (atua em Campinas/SP).

Homenagem a Professora Maricas

Considerando o atual cenário de educação e onde as comunidades rurais são perdidas pela desestruturada aceleração urbana é vital ressignificar personalidades que no século passado fizeram diferença no ensino rural atuando com liderança comunitária.

Neste contexto, esse projeto, promove a exposição Professora Maricas - Um Século de Protagonismo Feminino no Ensino Rural”, que acontece no Espaço Cultural Legislativo, da Câmara Municipal de Caçapava do Sul, com lançamento no dia 8 de março, as 18:45h.

A exposição, com 20 imagens, é aberta a visitação pública até 8 de abril, das 9h as 15h, de segunda a sexta. É uma realização do Projeto Caminhos do Sul da América com apoio da Câmara Municipal de Caçapava do Sul e retrata a história educacional da professora Maria Miguelina Paz Leão, conhecida por Professora Maricas, e rastros de seus ensinamentos.